O que é transgênero?


O termo transgênero refere-se a pessoas cujo senso de seu próprio gênero difere do que seria esperado com base nas características sexuais com as quais eles nascem. Uma pessoa transexual pode se identificar como uma mulher trans, como alguém que fez a transição para viver como mulher apesar de ter nascido com genitália masculina; um homem trans, é alguém que fez a transição para viver como homem; ou não-binário, que conota a sensação de que alguém não é estritamente um homem ou uma mulher.

Começando logo na infância, uma pessoa transexual pode ter sentimentos persistentes de disforia de gênero – uma desconexão entre os traços sexuais primários e secundários da pessoa e o gênero com o qual essa pessoa se identifica. Embora muitas crianças que experimentam tais sentimentos não se identifiquem como transgênero na idade adulta, a disforia de gênero de longa data é uma experiência comum entre adultos que se identificam como transgênero.

 

A experiência transgênero

As pessoas transgêneras podem, em última análise, fazer a transição física e social de uma forma que considerem adequadas com sua identidade. Isso pode incluir procedimentos físicos (envolvendo cirurgia ou hormônios), mudanças na maneira como se veste ou se comporta e novas maneiras de identificação (como um nome diferente ou pronomes relacionados a gênero). Uma pessoa também pode se identificar como transgênero sem fazer essas mudanças. Transexual é um termo antigo usado por alguns para se referir especificamente àqueles que procuram ou realizaram uma intervenção médica para mudar seus corpos. (Distintas das pessoas transexuais, as travestis se identificam com o rótulo de gênero que recebem no nascimento, mas ocasionalmente usam roupas associadas a um gênero diferente.)

 

Ser transgênero é uma doença mental?

Ser transgênero não é mais classificado como doença mental pela Organização Mundial de Saúde – um sinal de progresso para uma comunidade muitas vezes marginalizada.

A OMS anunciou, em 2018, em sua edição da Classificação Internacional de Doenças, que a incongruência de gênero será agora classificada como uma condição de saúde sexual.

A incongruência de gênero é “caracterizada por uma incongruência acentuada e persistente entre o sexo experiente de um indivíduo e o sexo designado”, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID).

“Foi retirado dos distúrbios de saúde mental porque tínhamos um melhor entendimento de que isso não era realmente uma condição de saúde mental e deixá-lo lá estava causando estigma”, disse o Dr. Lale Say, coordenador de Adolescentes e Populações em Risco da OMS. 

 

Porque as pessoas escolhem ser trans?

Aí que está, a identidade de gênero é apenas uma peça da composição exclusiva de cada pessoa, como a cor dos olhos e a altura. Assim como uma pessoa não pode escolher com qual cor de olho ela nasceu, uma pessoa não pode escolher ser transgênero.

Para muitas pessoas, seus corpos ao nascer combinam com sua própria sensação interna de ser mulher ou homem. Para outros, essas coisas não combinam. E para alguns, é mais complicado. Pense nas pessoas que você conhece cujo senso interno de gênero combina com seu corpo. Eles “escolheram” ser assim? A escolha não é se você é ou não seu gênero – mas como ser quem você é.

Não se pode ser “curado” de ser trans por médicos ou profissionais de saúde mental. Os profissionais podem falar sobre coisas que você pode enfrentar como uma pessoa trans para se sentir mais confortável. Eles também podem discutir suas opções se você quiser tomar medidas para tornar seu corpo mais parecido com sua identidade de gênero. Mas não há um tratamento ou pílula que realmente mude sua identidade de gênero.

“Fingir” ser um gênero diferente não pode alterar a identidade de gênero, ou seja, o sentido central de quem eles são como pessoa.

As pessoas trans conseguem fazer muitas escolhas todos os dias, do simples ao complexo, como…

  • quando e se sair como trans
  • se deve ou não passar em público como sua identidade de gênero
  • qual banheiro ou vestiário para usar
  • como ser seu melhor eu
  • e como viver a vida

E os familiares?

E se você estiver se sentindo bem com o fato de seu filho ser Gênero Inconformado, mas seu parceiro não se sentir bem? E pode até dizer: “Não na minha casa”. Esse não é um fenômeno incomum. Muitas vezes são os pais que têm mais dificuldade do que as mães. Mas quem quer que seja o pai, eu diria que é um momento muito importante para conseguir alguns cuidados de saúde mental, então vocês dois podem conversar sobre isso juntos. Nesse meio tempo, você provavelmente precisará apresentar alguns compromissos com os quais você se sinta confortável, em termos das expressões de gênero de seu filho. A coisa mais importante a fazer, seja qual for o seu compromisso, é comunicar ao seu filho que não há nada de errado com você. Se não forem permitidos, por exemplo, usar o vestido no mundo e apenas em casa; eles deveriam saber porque é um mundo injusto que não está pronto para aceitar garotos em vestidos. Não porque há algo errado com um menino usando um vestido. Mesmo que um pai se sinta assim, seria bom, nesse ponto, mantê-lo para si até que você consiga alguma ajuda para trabalhar com um profissional de saúde mental.

 

A sociedade

Em muitas culturas, as pessoas transexuais (especialmente as mulheres trans) estão freqüentemente envolvidas no trabalho sexual, como a pornografia. Isto está correlacionado diretamente com a discriminação no mercado de trabalho. Cerca 11% das pessoas dizem ter feito trabalho sexual por renda, comparado a 1% das mulheres cisgêneras nos EUA. De acordo com a mesma pesquisa, 13% dos transgêneros americanos estão desempregados, quase o dobro da média nacional. 26% perderam o emprego devido à sua identidade / expressão de gênero. Profissionais do sexo transgênero têm altas taxas de HIV. Em uma revisão de estudos sobre a prevalência do HIV em mulheres trans que trabalham na indústria do sexo, mais de 27% eram HIV positivos. No entanto, a revisão constatou que as mulheres trans envolvidas no trabalho sexual não eram mais propensas do que as mulheres trans não envolvidas no trabalho sexual a serem soropositivas. 

O tema dos profissionais do sexo transgênero tem atraído a atenção da mídia. Paris Lees, jornalista e mulher trans britânica, escreveu um artigo em junho de 2012, que tinha dezessete anos na época e era retratada como prostituta. dizendo que a escolha de se engajar no trabalho sexual é uma questão de autonomia corporal e apontar razões pelas quais as mulheres trans jovens frequentemente recorrem ao trabalho sexual, como baixa auto-estima e discriminação severa no emprego. 

 

O que é transfobia?

Transfobia é o medo, o ódio, a descrença ou a desconfiança de pessoas que são transexuais, pensadas para serem transexuais ou cuja expressão de gênero não está de acordo com os papéis tradicionais de gênero. A transfobia pode impedir que pessoas transgêneras e não-conformes com o gênero vivam vidas plenas livres de danos.

A transfobia pode assumir muitas formas diferentes, incluindo:

  • atitudes e crenças negativas
  • aversão e preconceito contra pessoas transexuais
  • medo irracional e mal-entendido
  • descrença de pronomes preferidos ou identidade de gênero
  • linguagem depreciativa e xingamentos
  • intimidação, abuso e até violência

A transfobia pode criar formas sutis e evidentes de discriminação. Por exemplo, as pessoas que são transgênero (ou até mesmo apenas pensadas para serem transexuais) podem ter seus empregos, moradia ou assistência médica negados apenas porque são transgêneros.

As pessoas podem ter crenças transfóbicas se forem ensinadas por outras pessoas, incluindo pais e famílias que incentivam idéias negativas sobre pessoas trans e que mantêm crenças rígidas sobre os papéis tradicionais de gênero.

Algumas pessoas são transfóbicas porque têm informações erradas ou não têm nenhuma informação sobre identidades trans. Eles podem não estar cientes de pessoas transexuais ou questões trans ou conhecer pessoalmente quem é trans.

O estresse da transfobia em pessoas trans pode ser muito prejudicial e pode causar:

  • depressão
  • medo
  • isolamento
  • sentimentos de desesperança
  • suicídio

 

Nome social e nome de registro

No Brasil,  a população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) pode utilizar o chamado “nome social” nos órgãos do serviço público federal, como ministérios, universidades federais e empresas estatais.

Na prática, se uma pessoa que recebeu o nome de João quando nasceu mas quer ser chamada de Maria, o crachá dela, a folha de ponto e o sistema do órgão para o qual ela trabalha deverão reconhecê-la assim. 

Manter o nome constante no registro civil, para quem sofre de disforia de gênero, fere gravemente o princípio da dignidade da pessoa. Isso porque,no meio social ela acaba sendo vista e chamada por um nome, enquanto que no seu registro constará nome que diverge de sua aparência.

E em 2018, o Supremo Tribunal Federal decidiu que transexuais e transgêneros têm o direito de alterar o nome social e o gênero no registro civil, mesmo que não tenham sido submetidos a cirurgia de mudança de sexo ou tratamento hormonal. Para fazer a mudança, a pessoa precisa apenas ir ao cartório e declarar seu novo nome. Ou seja, não será preciso entrar na justiça para pedir a alteração. A regra vale para transexuais de todo o país.

 

Tratamento hormonal

Existem muitos hormônios diferentes produzidos no corpo por um sistema das glândulas. Estas liberam hormônios diretamente na corrente sanguínea, que eles são transportados por todo o corpo. Entre estes estão os hormônios sexuais: o hormônio masculino, testosterona, produzido pelos testículos; e o hormônio feminino, estrogênio, produzido pelos ovários. Os homens também têm uma pequena quantidade de hormônio feminino porque alguns a testosterona é convertida em estrogênio. Em homens e mulheres,
as glândulas supra-renais, que ficam em cima dos rins, produzem pequenas quantidades de testosterona. Então, todos os homens e mulheres produzem naturalmente testosterona e estrogênio.

O objetivo da terapia hormonal é fazer a pessoa trans se sentir mais à vontade consigo mesma, fisicamente e psicologicamente.
Você pode estar sentindo desconforto porque não está feliz com sua aparência masculina ou feminina; ou talvez você não esteja confortável em seu papel de gênero como homem ou como mulher. Talvez ambos estes fatores – sua aparência e seu papel de gênero – estão em conflito com sua sensação interior de ser homem ou mulher (sua identidade de gênero). Você pode ter vivido com esse conflito por muitos anos e estar desesperado para obter alguma ajuda. Se é assim que você está se sentindo, o tratamento hormonal pode ajudar para superar sua aflição. Este tipo de tratamento é por vezes referido como terapia hormonal de “sexo cruzado”.

 

Cirurgia de mudança de sexo

Como é irreversível, é obrigatório o acompanhamento psicológico por no mínimo dois anos para que se firme o perfil de transsexual, avaliação de um psiquiatra para descartar quaisquer transtornos mentais e acompanhamento com endocrinologista que tenha direcionado o tratamento hormonal.

 

A importância do acompanhamento psicológico

A alta taxa de sofrimento, incluindo depressão, baixa autoestima e ideação suicida, tem sido documentada em numerosas amostras de mulheres transexuais e tem sido atribuída a altos índices de discriminação e violência. O acesso a fontes de apoio afirmativo de gênero pode compensar esses efeitos psicológicos negativos da opressão social. No entanto, questões críticas permanecem sem resposta em relação a como e quais aspectos da afirmação de gênero estão relacionados ao bem-estar psicológico. Uma amostra comunitária de 573 mulheres transexuais com histórico de trabalho sexual completou uma pesquisa que mostra que a afirmação social, psicológica e médica do gênero foram preditores significativos de menor depressão e maior autoestima, enquanto nenhum domínio de afirmação foi significativamente associado à ideação suicida. Os resultados apóiam a necessidade de recursos de transição acessíveis  para pessoas transgênero, a fim de promover uma melhor qualidade de vida entre uma população já vulnerável. A experiência pessoal de se sentir afirmado como uma pessoa transgênero resulta das percepções subjetivas de necessidade dos indivíduos ao longo de múltiplas dimensões de afirmação de gênero. A avaliação psicológica da afirmação de gênero pode, portanto, ser um componente útil do aconselhamento e prestação de serviços para pessoas transgêneros.

 

Psicóloga Lilian Nogueira Reis

CRP: 05/34846

O que significa ser transgênero?
Summary
Article Name
O que significa ser transgênero?
Description
O termo transgênero refere-se a pessoas cujo senso de seu próprio gênero difere do que seria esperado com base nas características sexuais com as quais eles nascem.
Author
Publisher Name
Psicóloga Lilian Reis
Publisher Logo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *